Mundo

Moderna começa testes de vacina contra HIV em humanos

Publicada em 19/08/21 às 14:58h - 492visualizações

por Diário do Nordeste


Compartilhe
   

Link da Notícia:

O laboratório estadunidense Moderna começou, nesta quinta-feira (19), a testar uma vacina contra o vírus HIV em humanos. O imunizante é baseado na tecnologia do RNA mensageiro (mRNA), também usado em vacinas antiCovid, inclusive na produzida pela empresa contra o coronavírus.

A fase 1 dos testes em humanos foi publicada formalmente no registro do Instituto Nacional de Saúde (NIH) dos Estados Unidos. Os estudos envolverão 56 pessoas com idades entre 18 e 50 anos não portadoras do vírus.


O imunizante será administrado em duas versões: metade dos voluntários receberão duas doses iguais do imunizante mRNA-1644, e a outra, duas versões distintas, nomeadas mRNA-1644 e mRNA-1644v2.

A primeira fase deve durar cerca de dez meses, buscando verificar existência de resposta imune e comprovar a segurança da aplicação. Caso haja sucesso nessa primeira etapa, outras duas serão necessárias para liberação posterior em humanos pelas agências sanitárias.

A segunda analisará a segurança e a resposta das defesas do organismo; a terceira, por sua vez, testará a eficácia real das doses ministradas.


Conforme o portal Olhar Digital, a Moderna informou que, além da vacina mRNA-1644, também trabalha em outro imunizante contra o HIV, chamado mRNA-1574.

TECNOLOGIA MRNA

Imunizante com tecnologia do RNA mensageiro "ensinam" células do corpo a produzir antígenos contra os vírus. A premissa é diferente das vacinas "tradicionais", à base de partes do vírus ou de vírus inativado.

Estudos com essa tecnologia foram iniciados no começo da década de 1990, mas, com a pandemia da Covid-19, ganharam investimentos financeiros bilionários. Nesse contexto, tanto o imunizante da Moderna quanto o da Pfizer, também baseado em RNA mensageiro, foram aprovados nos Estados Unidos ainda no fim de 2020.

INVESTIMENTOS CONTRA O HIV

Apesar de o vírus HIV — sigla em inglês para vírus da imunodeficiência humana — já ter casos registrados ao longo de 40 anos, os investimentos para desenvolvimento de vacina contra o causador da Aids (síndrome da imunodeficiência adquirida) eram menores. Em razão disso, muitos testes não foram adiante.

Contudo, dado o incentivo ao desenvolvimento de vacinas antiCovid, o HIV voltou a receber atenção. Uma pesquisa iniciada em julho deste ano intenta testar uma nova vacina em mais de 6 mil pessoas na África, nas Américas — incluindo o Brasil — e na Europa.

O imunizante usa o método tradicional com um vetor, denominado "adenovírus 26", inofensivo aos seres humanos. Serão aplicadas quatro doses de vacina nesse caso.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (88) 99753 4868

Visitas: 1003895
Usuários Online: 67
Copyright (c) 2021 - Iguatu.net: o site de Iguatu e região Centro Sul do Ceará