Política

Bolsonaro ataca Coronavac e quer fim da obrigatoriedade de máscaras

Bolsonaro disse que vai se reunir com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para discutir a desobrigação do uso da máscara

Publicada em 23/08/21 às 21:51h - 662visualizações

por Notícias ao Minuto


Compartilhe
   

Link da Notícia:

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que "pede a Deus" e "torce" pela efetividade das vacinas contra a covid-19, mas há alguns imunizantes que "não estão dando certo". Ao comparar vacinas com o "tratamento precoce", o chefe do Executivo afirmou que ambos são experimentais e estão sendo usados de forma emergencial. Segundo ele, nesta segunda-feira, dia 23, ele vai se reunir com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para discutir a desobrigação do uso da máscara. As declarações foram dadas em entrevista à Rádio Nova Regional, do Vale do Ribeira (SP).

O chefe do Executivo pontuou que a estimativa feita pelo governo é de que o País vai ter que conviver com o vírus do coronavírus e, "infelizmente, ele veio para ficar". Para isso, Bolsonaro afirmou que vai se encontrar com Queiroga para dar "solução a esse caso". A reunião, no entanto, não consta na agenda oficial do presidente.


Segundo ele, o País deve aprender a conviver com o vírus e, por isso, será debatida, mais uma vez, a obrigatoriedade do uso de máscara. Na semana passada, Queiroga afirmou que não defende o uso obrigatório do acessório. "Talvez tenha uma data a partir de hoje", afirmou Bolsonaro sobre o uso facultativo da máscara. Apesar da pressão em cima do ministro, o presidente enfatizou que, pela decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), governadores e municípios podem manter o uso obrigatório. Bolsonaro voltou a dizer que pediu estudo sobre fim da obrigação do uso do acessório.


Coronavac


O presidente aproveitou o tema para fazer críticas contra seu rival político, João Doria (PSDB), e a vacina da Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan. Segundo ele, pessoas que foram imunizadas com as duas doses do imunizante continuam morrendo pela doença. "Uma chinesa aí", se referiu o chefe do Executivo, a exemplo da morte do ator Tarcísio Meira. Bolsonaro, então, cobrou pronunciamento da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Butantan sobre as mortes após as doses. "A população tem direito de saber da real efetividade da vacina", destacou. Segundo ele, o Brasil deve terminar a imunização antes dos Estados Unidos.


Bolsonaro ainda afirmou que vacinas "não têm comprovação científica 100%, ou 99%, apontando que ela dá resultado", e destacou os efeitos colaterais dos imunizantes.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (88) 99753 4868

Visitas: 1003842
Usuários Online: 60
Copyright (c) 2021 - Iguatu.net: o site de Iguatu e região Centro Sul do Ceará